Benvindo a Varizinforma

        

Como estudar um doente com varizes

Home
Quem somos
Anatomia
Fisiologia
Porquê as Varizes
Como estudar o doente
Como estudar o doente cont.
O Eco-doppler em imagens
Tratar as Varizes
Os resultados
Prevenir as Varizes
Tratar as Telangiectasias
Flebite ou Tromboflebite
References e Congressos

              Sem querer desvalorizar o exame médico com todas as manobras e testes que nos foram ensinados quando frequentámos a Faculdade de Medicina e posteriormente o Internato, o estudo do doente com varizes faz-se hoje pelo exame eco-doppler.

                Depois de 18 anos de prática de eco-doppler e mais de 20000 doentes estudados, permito-me tecer algumas considerações sobre como deve ser efectuado este exame.

            O que é então um eco-doppler. por vezes chamado de "triplex" (pois associa imagem + doppler + cor)?

              É um exame que nos dá  a imagem das veias como uma ecografia mas também nos informa sobre a direcção e velocidade da corrente sanguínea pelo doppler e pela cor.

              Digamos desde já que a velocidade do sangue nas veias não tem interesse para o estudo das varizes pois o fluxo é lento e só com manobras de compressão/relaxamento, por exemplo podemos pôr em evidência alguma velocidade a qual dependerá da força da nossa mão ao comprimir.

               Mas por outro lado a imagem da parede da veia também tem pouco interesse no estudo do doente - não modifica em nada o tipo de tratamento.

              Resta-nos portanto a direcção da corrente sanguínea e esta sim é de importância primordial, pois é pela direcção que diagnosticamos as veias cujas válvulas são insuficientes.

 

              Em resumo. o trabalho do eco-dopplerista é muito parecido com o do engenheiro hidráulico:

 

Depois de estudar o doente ele deve informar no relatório

bullet A razão da má drenagem venosa
bullet A rede venosa patológica
bullet As possibilidades que existem de restaurar a drenagem

  

               
               Assim este exame DEVE ser feito por quem tenha conhecimentos de hemodinâmica (estudo da circulação do sangue) pois como vimos a imagem das veias não é suficiente.

                Além disso é absolutamente necessária uma cartografia (como um "mapa de rios") para que o estado venoso do doente seja compreensível e se possa delinear uma estratégia cirúrgica.

 

O Eco-doppler é um exame de hemodinâmica como a maioria dos exames cardio-vasculares e não um exame de imageologia: 

NÃO é uma Ecografia!

 

                  

Quem deve fazer o eco-doppler?

Este é um grande problema. Em muitos países, como a França por exemplo, é o cardiologista que estuda as artérias e as veias e é ele que faz o tratamento médico destes doentes. As especialidades cirúrgicas ligadas à cardiologia são a cirurgia cardíaca e a cirurgia vascular. Existem ainda os flebologistas e os angiologistas que não são especialistas mas clínicos gerais com "competências"  (estudos post-graduados). Os angeologistas também aprendem a fazer eco-doppler.

No nosso País os cardiologistas dedicam-se ao coração e aos cirurgiões vasculares compete operar, o que é um trabalho imenso. Assim, o eco-doppler tornou-se "terra de ninguém" e na falta de quem os faça, os radiologistas, que têm os aparelhos, estão a tentar executar estes exames... não têm porém a formação básica de hemodinâmica que os cardiologistas têm e o exame venoso nem sempre corresponde ao que deveria ser! 

               

É um exame difícil de fazer e sobretudo de interpretar pois os dados fornecidos pelo aparelho devem ser interpretados segundo as leis da hemodinâmica  porque:

  bulletExistem veias insuficientes mas sem ectasia (dilatação) porque drenam correctamente nas perfurantes
bulletExistem veias dilatadas mas continentes porque debitam demais
bulletExistem veias sem insuficiência franca, sem ectasia, mas com fragilidade valvular que por vezes só se manifesta durante o Verão, durante o calor.
 

 Para complicar ainda mais, o estudo das veias, ao contrário do das artérias, deve ser efectuado em posição de pé, com a sonda perpendicular ao comprimento da veia (corte transversal) mas a cartografia é desenhada no sentido do comprimento (corte longitudinal)...

     

           

Depois  do exame efectuado, além das usuais fotografias, haverá a cartografia que se apresenta assim, por exemplo

 

                                                           

 Home | Quem somos | Anatomia | Fisiologia | Porquê as Varizes | Como estudar o doente | Como estudar o doente cont. | O Eco-doppler em imagens | Tratar as Varizes | Os resultados | Prevenir as Varizes | Tratar as Telangiectasias | Flebite ou Tromboflebite | References e Congressos

"Todo o conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Brasil."